tomate industrial sem desperdicio

APRESENTAÇÃO DO PROJETO

O Grupo Operacional Lycorpersicon identificou o problema relacionado com o desperdício do tomate sabendo que o custo de plantanção da cultura do tomate indústria representa 10% do total da conta de cultura.

Assim, o o desenvolvimento de práticas que permitam explorar por um segunda vez as plantas em campo, após a colheita mecânica tradicional, cria uma oportunidade competitiva para os produtores de tomate, aproveitando o sistema já instalado desde o início. Deste modo, à uma diluição dos custos previamente existentes. Esta oportunidade será criada, através da regeneração da parte aérea, decapitada durante a colheita, que depende do já estabelecido e extenso sistema radicular. Esta regeneração visa criar uma segunda fase de produção, melhorando a capacidade produtiva das plantas de tomate indústria já instaladas.

Deste projeto fazem parte as seguintes entidades:

CCTI – Associação para a Investigação, Desenvolvimento e Inovação no Setor (Líder)

Instituto Superior de Agronomia

BENARGO – Cooperativa Agrícola de Benavente, CRL

Fruto Maior – Organização de Produtores Hortofrutícolas Lda

RELCAMPO, Unipessoal Lda

Sociedade Agrícola Caneja Lda

Sociedade Ortigão Costa, Lda

Sociedade Agro-Pecuária do Vale da Adega S.A

TPROTechnologies, Lda

OBJECTIVOS

O Grupo Operacional Lycorpersicon assenta na redução do desperdício de tomate durante as colheitas do mesmo. Esta iniciativa visa atingir três objetivos:

  • Definir o roteiro técnico de uma 2ª colheita de Tomate Indústria. Esta definição será posterior ao identificar as práticas culturais que permitam aumentar a produção nacional de  Tomate Industria através de uma 2ªa colheita, promovendo uma maior eficiência na gestão dos sistemas de tomate indústria;
  • Estender o fim da campanha através de soluções técnicas que permitam reforçar a existência de matéria-prima no fim de setembro, a um custo menos e por essa via a um menor risco económico para o agricultor, quando comparado com as condições atuais;
  • Gerar um novo produto de viveiro, de forma que as plantas que são adquiridas em viveiro permitam a realização de uma segunda colheita na mesma campanha.

Estes objetivos refletem os indicadores de que o aumento da produtividade do tomate, através do estabelecimento de uma segunda colheita, na mesma campanha é viável. Contudo, é necessário estabelecer guias de conduta para o seu sucesso em pleno.

Para a criação de tais regras, será necessário avaliar mais em pormenor o crescimento e saúde da cultura nas condições de pós-corte em campo e monitorizar as melhores condições de rega, fertilização e práticas de proteção das culturas, de modo a que o saldo custo/benefício seja positivo quer para o produto e para a sustentabilidade dos recursos naturais.